Após protesto de familiares de jovem morta em Coroatá, Jefferson Portela muda comando do Batalhão da PM; policial militar preso será reinquirido em São Luís

julho 09, 2021 0

Na manhã desta sexta-feira (09) uma grande manifestação foi realizada na região central de Coroatá, a 251 km de São Luís. A população saiu às ruas para cobrar justiça e pedir agilidade nas investigações do caso de assassinato da jovem Ana Carolina da Silva Carvalho, de 17 anos.

Carol, como também era conhecida por familiares e amigos, foi assassinada a tiros na madrugada da última segunda-feira (05), quando, de acordo com o companheiro da vítima, o cabo PM Gilgleidson Pereira Melo, houve uma troca de tiros entre ele e suspeitos que tentavam invadir a residência do casal. A família não acredita na versão, visto que, o policial tem histórico de violência. Ele é o principal suspeito do feminicídio.

Presente no ato público, o secretário de Estado de Segurança Pública Jefferson Portela, acompanhado da cúpula da segurança do estado, fez um discurso firme e afirmou que o crime será elucidado, inclusive com a intervenção do alto comando, que estará presente em Coroatá durante os próximos dias.

A primeira ação tomada pelo secretário foi a mudança do comandante da polícia militar. Saiu o Major Frans e assumiu o também Major Luís Augusto.

Segundo o secretário, a autoridade policial não agiu corretamente na apuração do crime.

“Compete às autoridade policiais ouvir a narrativa de qualquer fato criminoso e compete, como consequência, a agir de acordo com a verdade. Uma narrativa inicial pode corresponder a verdade e pode corresponder a uma não verdade, uma inverdade. E cabe ao chefe de polícia local, o delegado, o comandante averiguar o que se deu. Porque nós estamos falando aqui de uma perda de uma vida humana por ação humana, portanto crime. Está lá o corpo baleado, crime. O fato é crime. Quem foi a autoria? Cabe as autoridades policiais definir. E a narrativa inicial se fosse questionada pelo comandante com rigor e pelo delegado, os dois teriam que autuar o autor do fato, sem nenhuma dúvida”, explicou Portela.

O secretário da SSP-MA afirmou, ainda, que o novo comandante do 24º BPM, o major Luís Augusto, e os demais delegados responsáveis pelo caso vão checar todos os atos de polícia dentro do inquérito e averiguar o que foi feito que deve ser aproveitado e o que deixou de ser feito e deve ser apurado.

“Dentro da lei o policial tem nosso apoio total, fora dela não tem apoio nenhum. E para nós não interessa quem foi autor de crime. Havendo autor, seja quem for, será responsabilizado”, afirmou Jefferson Portela.

Prisão em Timon

No início da tarde desta sexta-feira (9), Jefferson Portela informou que o cabo Gilgleidson Pereira Melo foi preso na cidade de Timon.

“Ele acaba der ser preso na cidade de Timon e será recambiado imediatamente para São Luís. Doutora Wanda (chefe do Departamento de Feminicídio de São Luís) já tinha vindo à Coroatá, inicialmente, e já tinha tomado as providências e formalizou um pedido de prisão preventiva, que foi prontamente deferido pela juíza plantonista e, de imediato, as buscas foram prosseguidas para todos os comandos de Polícia Civil e Polícia Militar. E ele foi localizado na cidade de Timon e recebeu voz de prisão”, informou o secretário da SSP-MA.

O crime

De acordo com informações da Polícia Civil do Maranhão, o corpo de Ana Carolina, de 17 anos, foi encontrado na rua Campo Agrícola, bairro Mocó, no interior do sítio onde residia com o policial militar, na cidade de Coroatá.

Após o crime, o cabo Gilgleidson Pereira foi levado à delegacia e afirmou que, durante a madrugada de segunda, por volta de 1h, ele estava fora de casa, quando recebeu uma mensagem da companheira informando que teria algumas pessoas no quintal tentando invadir a casa. O PM alegou que teria pedido a moto de um amigo emprestada e foi até o sítio. Chagando lá, ele teria sido recebido a tiros e atirou contra os criminosos. Durante o tiroteio, Ana Carolina acabou sendo baleada e morta.

Porém, segundo o delegado Jefferson Portela, a Polícia Civil não identificou indícios de que isso tenha acontecido.

“A delegada Wanda esteve no local dos fatos e conversou com os moradores. O local é iluminado e ninguém viu a chegada de qualquer pessoa ou qualquer confrontação com atacantes externos à casa do policial. E, detalhe, que essa casa fica a 900 metros do quartel da Polícia Militar, não houve pedido de socorro, não houve ações de captura dos autores citados, nenhum fato que fosse constado no sentido de dar veracidade a alegação de ataque de criminosos feito contra a casa. Infelizmente, isso não é verdade”, declarou o secretário.

Ainda de acordo com o secretário Jefferson Portela, o cabo Gilgleidson Pereira foi trazido para São Luís em um helicóptero do CTA, onde será reinquirido pela delegada Wanda Moura e deverá responder pelo crime de feminicídio.

JORNALISTA josinaldo soares/REGISTRO 0001662/MA 

FONTE:G1/MA 

0 Comentarios "Após protesto de familiares de jovem morta em Coroatá, Jefferson Portela muda comando do Batalhão da PM; policial militar preso será reinquirido em São Luís"