ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO CEARÁ E FEDERAÇÃO DE JORNALISTAS PEDEM EXPULSÃO DE COMUNICADOR SUSPEITO DE ENVOLVIMENTO EM ATOS TERRORISTAS EM BRASÍLIA-DF

16:30:00 0
.         Foto reprodução/ Redes Sociais 

Após os atos de vandalismo que aconteceram em Brasília e que contou com a participação de um jornalista cearense, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Ceará (Sindjorce) não mediu esforços e tomou as providências necessárias para punir o profissional. 

Além do sindicato, a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), a Associação Cearense de Imprensa (ACI) e a Comissão Estadual de Ética dos Jornalistas do Ceará, também se posicionaram e pediram a expulsão do profissional envolvido no caso. 

Uma assembleia será realizada no dia 23 de janeiro de 2023, na sede do Sindicato, para o cumprimento da pauta para autorização para adoção de novas medidas de sanção a profissionais filiados que defendam, integram, participem ou patrocinem atos e atentados antidemocráticos.

Por meio de nota, o Sindicato deixou claro que não é conivente com as atitudes do jornalista e relatou que o jornalismo e a profissão de jornalista tem deveres éticos e devem comprometer-se com a Democracia e o Estado Democrático de Direito.

Em forma de repúdio aos atos praticados pelo jornalista das iniciais W. M. S, que foi acusado de forma contundente e com robustez de provas por participar, planejar e executar atentados terroristas em Brasília, ele teria sido o responsável por ajudar a colocar artefato em um caminhão tanque carregado com querosene, próximo ao aeroporto da capital. 

Confira a nota na íntegra:

O Sindicato dos/as Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce), a Federação Nacional dos/as Jornalistas/as (FENAJ) e a Associação Cearense de Imprensa (ACI) entendem que o Jornalismo e a profissão de jornalista têm deveres éticos e devem comprometer-se com a democracia e o Estado Democrático de Direito. Forjado neste regime social, esta atividade deve, por princípio, defender as instituições democráticas, as leis e os interesses comuns da sociedade. Afinal, o Jornalismo, como meio de relato e da análise dos fatos, é ferramenta para chamar os/as cidadãos/ãs à racionalidade, contribuindo decisivamente para pôr fim aos discursos enganosos, à mentira como prática oficial de governos e grupos sociais, à negação dos avanços civilizatórios (incluindo a ciência) e a perpetuação de preconceitos e das variadas formas de discriminação.

Sendo assim, o Sindjorce, a FENAJ, a ACI e a Comissão Estadual de Ética dos/as Jornalistas do Ceará repudiam, com veemência, os atos praticados por Wellington Macedo de Souza, acusado, de forma contundente e com robustez de provas, de participar, planejar e executar uma tentativa de atentado terrorista em Brasília, na véspera de Natal do ano passado. Foragido, ele seria o responsável por ajudar a colocar o artefato em um caminhão-tanque carregado com querosene, estacionado próximo ao aeroporto da Capital, conforme a denúncia do Ministério Público do Distrito Federal, aceita pela Justiça e veiculada no domingo (15), pelo programa Fantástico, da TV Globo. Ex-integrante do Governo Jair Bolsonaro, Macedo também foi preso por envolvimento nos atos antidemocráticos do Sete de Setembro de 2022, mas estava em prisão domiciliar, com uso de uma tornozeleira eletrônica.

Wellington Macedo tem registro de jornalista no Ministério do Trabalho e é associado ao Sindjorce desde 2001, inicialmente registrado unicamente como repórter fotográfico. Depois, o suposto terrorista adquiriu o registro geral de jornalista, após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2009, que derrubou o diploma de nível superior como critério de acesso à profissão. Desde então, as entidades de representação classista da categoria são obrigadas formalmente pelo Estado (e por decisões judiciais derivadas) a reconhecer todos os profissionais, independente da formação, como jornalistas e também a aceitar estes em seus quadros de associados.

Dito isto, o Sindjorce informa que, após consulta a sua assessoria jurídica, ao Estatuto Social e à Comissão Estadual de Ética, a diretoria da organização decidiu, em reunião realizada na noite de ontem, 16 de janeiro, convocar assembleia geral para deliberar sobre a suspensão de Wellington do grupo de associados da organização sindical. Este encaminhamento é proposto tendo em vista respeitar o devido processo legal, pois ainda não há uma decisão do Poder Judiciário. Porém, caso confirmados os crimes contra o Estado Democrático de Direito e contra a soberania nacional, como nos fazem crer os fatos, o Sindicato poderá aplicar, em definitivo, por decisão coletiva dos/as jornalistas cearenses, o Artigo 10 do Estatuto Social da entidade e o Código de Ética dos/as Jornalistas Brasileiros/as e, assim, expulsar Wellington Macedo de Souza.

A assembleia geral que submeterá a proposta inicial de suspensão do associado está marcada para a próxima segunda-feira, 23 de janeiro de 2022, a partir das 18 horas, na sede do Sindjorce. O encontro também tem como pauta a autorização para adoção de novas medidas de sanção a profissionais filiados que defendam, integrem, participem ou patrocinem atos e atentados antidemocráticos. Na oportunidade, as entidades de representação da categoria no Ceará também se unirão na aprovação de nova posição em defesa da ética profissional, do compromisso com a verdade, com o interesse público e com a democracia.

O Jornalismo não é lugar para terroristas!

Fortaleza, 17 de janeiro de 2023

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce)

Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ)

Associação Cearense de Imprensa (ACI)

Comissão Estadual de Ética dos Jornalistas do Ceará

0 Comentarios "ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO CEARÁ E FEDERAÇÃO DE JORNALISTAS PEDEM EXPULSÃO DE COMUNICADOR SUSPEITO DE ENVOLVIMENTO EM ATOS TERRORISTAS EM BRASÍLIA-DF "